Jovem é morto a tiros em Guriri

guririA madrugada deste domingo (31) foi de desespero para moradores e turistas que aproveitavam a penúltima noite do ano em Guriri, balneário de São Mateus, um dos mais procurados do Norte do Estado nesta época. Um jovem de 21 anos foi morto a tiros em plena orla, na Avenida Oceano Atlântico, na altura do cruzamento com a Rodovia Othovarino Duarte Santos. O crime aconteceu por volta de 1 hora.

De acordo com o boletim policial, os militares que faziam segurança ostensiva no centro do balneário ouviram estampidos durante a madrugada. Em seguida, houve um grande tumulto com pessoas correndo próximo ao trio elétrico e à “Rua da Lama”, local onde ficam as barracas de bebidas. Ao se aproximarem do local onde o tumulto começou, os policiais viram o rapaz caído no chão, já sem vida. O local foi isolado.

Segundo à PM, devido à grande quantidade de pessoas no momento do crime, ninguém soube informar com precisão o que havia ocorrido nem as características do suspeito de ter efetuado os disparos. Uma testemunha disse apenas que ouviu o barulho de disparos de arma de fogo e viu quando as pessoas começaram a correr. Ela se abaixou e não conseguiu ver os autores dos disparos nem o destino tomado por eles.

A perícia constatou que a vítima foi atingida com três tiros, todos nas costas. Um acertou o meio das costas, outro a nuca e o terceiro a cabeça. O pai da vítima esteve no local e reconheceu o corpo. Ele disse aos militares que o seu filho tinha algumas passagens pela polícia por envolvimento com o tráfico de drogas e tentativas de homicídio. Segundo o familiar, a vítima faz parte de grupos que disputam o tráfico de entorpecentes no balneário. No entanto, o pai não soube informar quem poderia ter cometido o crime.

A vítima não teve a identidade divulgada pela PM. O corpo foi recolhido pela perícia da Polícia Civil, que também apreendeu um canivete que estava na mão da vítima. Os demais pertences foram entregues ao pai. A Polícia Civil de São Mateus vai investigar o caso. Quem tiver alguma informação que ajude na investigação pode ligar para o telefone do Disque Denúncia (181). O sigilo e o anonimato são garantidos.

Comentar esta notícia