Notícias: Cidade

Período de chuvas: saiba como agir em caso de desastres naturais

DSC01121

O período com maior probabilidade de chuvas fortes e outros desastres naturais vai do fim do ano até o término do verão, em março. O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) emitiu um alerta de ocorrência de fortes chuvas na Grande Vitória durante toda esta quarta-feira (18). A previsão é que o tempo continue chuvoso até domingo (22).

Em Cariacica, há um Comitê de Prevenção de Desastres Naturais para tomada de decisões conjuntas em situações de urgência e emergência, composto pelas secretarias municipais de Governo, Assistência Social, Saúde, Serviços e Trânsito, Obras, Meio Ambiente, Comunicação e de Agricultura.

A Defesa Civil municipal integra o comitê e deve ser acionada em caso de necessidade pelos telefones 98831-6000 e 3346-6111. O serviço funciona 24h.

Veja, abaixo, como agir antes, durante e depois de cada situação de perigo:

Chuvas

Antes: Não jogue lixo ou entulho em córregos e canais, para não obstruir a passagem da água; Não construa próximo a córregos que possam inundar; Não construa em cima de barrancos que possam deslizar, carregando sua casa; Não construa embaixo de barrancos que possam deslizar, soterrando sua casa.

Durante: Se o nível de água estiver subindo, vá com sua família para um lugar seguro; Não deixe crianças brincando na enxurrada ou nas águas dos córregos, pois podem ser levadas pela correnteza ou contaminar-se, contraindo graves doenças, como hepatite e leptospirose.

Depois: Não use equipamentos elétricos que tenham sido molhados ou em locais inundados, pois há risco de choque elétrico e curto-circuito; Cuidado com a água que for beber: veja se não foi contaminada pela inundação, o que traz sérios riscos à saúde; Cuidado também com os alimentos: os atingidos pela água estão contaminados; Em caso de febre, vômitos, diarreias, dores de cabeça ou no corpo, se tiver qualquer outro sintoma de doenças ou alguma dúvida sobre os procedimentos seguros, procure imediatamente a unidade de Saúde mais próxima.

Enchentes

Antes: Informe-se sobre abrigo em locais altos e secos; Coloque em lugares altos seus móveis e utensílios; Retire os animais de estimação de casa; Desligue aparelhos elétricos; Feche bem as portas e janelas.

Durante: Primeiramente, salve sua vida e proteja a das pessoas próximas a você. Se precisar retirar algo de casa, peça ajuda ao Corpo de Bombeiros e à Defesa Civil; Proteja-se com calçados e botas. Evite acidentes. Evite contato com águas da enchente, pois estão contaminadas e podem provocar doenças e acidentes.

Depois: Lave e desinfete os objetos que tiveram contato com águas da enchente; Não use água de fontes naturais e poços depois da enchente, pois estão contaminadas. Informe-se na unidade de Saúde mais próxima.

Deslizamentos

Antes: Não se deixe enganar por promessas fáceis e ilusórias para obter um lote ou uma casa em morros ou áreas de risco. Os riscos de desastres são muito altos. Não desmate morros e encostas para assentamento de casas e outras construções. Avise aos seus vizinhos sobre o perigo, no caso de casas construídas em áreas de risco de deslizamento. Você pode fazer com a sua comunidade um plano de evacuação. Se você observar o aparecimento de fendas, depressões no terreno, rachaduras nas paredes das casas, inclinação de tronco de árvores, de postes e o surgimento de minas d’água, avise imediatamente a Defesa Civil; Você pode consertar vazamentos o mais rápido possível e não deixar a água escorrendo pelo chão. O ideal é construir canaletas; Não jogue lixo em vias públicas ou barreiras, pois ele aumenta o peso e o perigo de deslizamento; Não faça cortes nos terrenos de encostas sem licença da Prefeitura; Solicite à Defesa Civil, em caso de morros e encostas, a colocação de lonas plásticas nas barreiras; Em morros e encostas, não plante bananeiras e outras plantas de raízes curtas, porque as raízes dessas árvores não fixam o solo e aumentam os riscos de deslizamento; Em morros e encostas não plante mamão, fruta-pão, jambo, coco, banana, jaca e árvores grandes, pois acumulam água no solo e provocam quedas de barreiras.

Durante: Convença as pessoas que moram nas áreas de risco a saírem de casa durante as chuvas; Se você observar um princípio de deslizamento, avise imediatamente a Defesa Civil do seu Município e o Corpo de Bombeiros, bem como o máximo de pessoas que residem na área do deslizamento; Afaste-se e colabore para que curiosos mantenham-se afastados do local do deslizamento, poderá haver novos deslizamentos; Não se arrisque sem necessidade, não entre no local do deslizamento, somente pessoas especializadas em salvamento podem entrar; Não permita que crianças e parentes entrem no local do deslizamento; Não conteste as orientações do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil.

Desabamentos

Durante: Em caso de desabamento, não fique próximo ao local, pois a área pode sofrer novos desabamentos; Avise imediatamente ao Corpo de Bombeiros e à Defesa Civil; Ajude as pessoas que estão saindo do local desabado; Evite arriscar-se sem necessidade; Se for o caso, procure desligar a quadro elétrico da edificação desabada; A área deve ser evacuada; O local atingido deve ser abandonado com rapidez, mas organizadamente, sem correria; As instruções do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil deverão ser seguidas sem ser contestadas.

Raios

Durante: Durante as tempestades saia somente se for necessário; Não retire nem coloque roupa em varais de arame durante a tempestade; Mantenha-se afastado e não trabalhe em cercas, alambrados, linhas telefônicas ou elétricas e estruturas metálicas; Não opere tratores ou máquinas, especialmente para rebocar equipamentos metálicos; Se estiver viajando, permaneça no automóvel; Busque refúgio no interior de edifícios; Não permaneça dentro d’água durante tempestades; Permaneça longe de portas e janelas; Não utilize aparelhos eletrodomésticos, mantenha-os desligados e desconecte a antena externa do televisor; Use o telefone fixo somente em uma emergência; Certifique-se que a tempestade passou completamente antes de prosseguir seu caminho.

Vendavais

Antes: Como a maioria das residências de família de baixa renda não oferece segurança, a Defesa Civil poderá orientar como reforçar os telhados; É necessário cortar árvores ou deslocar postes de luz que possam cair sobre casas; Verificar a estrutura da casa, principalmente o madeiramento de apoio do telhado; Desligar os aparelhos elétricos e o gás; Abaixar para o piso todos os objetos que possam cair.

Após: Ajude na limpeza e recuperação da área onde se encontra, começando pela desobstrução das ruas e outras vias; Ajude seus vizinhos que foram atingidos; Evite o contato com cabos ou redes elétricas caídas. Avise à Defesa Civil ou aos Bombeiros sobre estes perigos; Procure não utilizar serviços hospitalares e de comunicações, a não ser que necessite realmente. Deixe estes serviços para os casos de emergência.

 

Fonte: Folha Vitória

Rio Bananal contabiliza prejuízos após enchente histórica

 

DSC01090

Após sofrerem com a maior enchente dos últimos 34 anos, os moradores da cidade deRio Bananal, no Norte do Espírito Santo, começaram a recuperar o que foi perdido com a exurrada. Segundo a Defesa Civil municipal, o nível da água começou a baixar, nesta quarta-feira (18).

A coordenadora da Defesa Civil do município, Heloísa Helena Grassi, disse que cerca de 70% do volume das águas baixaram na zona urbana e equipes começaram a realizar trabalhos de limpeza e retirada de famílias de áreas de risco. “Estamos realizando a limpeza nas ruas, nas casas e nos comércios. Mas a zona rural ainda está bastante alagada. Estamos levantando os danos e os prejuízos”, disse.

A Defesa Civil estadual informou em um boletim divulgado, nesta quarta-feira, que 200 moradores de Rio Bananal se encontram desalojados. Ainda não há informações precisas sobre a quantidade de edificações danificadas no município. Em todo o Espírito Santo, 807 pessoas precisaram deixar suas casas. São 94 desabrigados, 713 desalojados e 248 edificações danificadas.

A enchente foi considerada a pior dos últimos 34 anos. “Os moradores mais antigos lembram da enchente de 1979, esta é sem dúvidas mais devastadora. Estamos sem contato nenhum e o Centro está debaixo d’água. As portas de vidro das lojas não estão aguentando a pressão, está tudo quebrado e destruído”, contou a coordenadora da Defesa Civil no município.

Fortes Chuvas
Na última terça-feira (17), os rios Bananal, Timirim, Panorama e Bananalzinho transbordaram e alagaram toda a cidade. Em diversos pontos, era possível ver rodovias interditadas e áreas completamente isoladas. De acordo com o prefeito, Edmilson Santo Eliziário, quatro casas foram arrastadas e mais de 250 pessoas estavam desalojadas e foram levadas para ginásios de esportes e quadras que não sofreram com a chuva. “Essa enchente foi impressionante, inundou tudo, nunca vi coisa parecida. Os rios transbordaram e a água chegou a cinco metros de altura”, disse.

Ainda no município, pai e filha ficaram presos dentro de um carro, no meio da correnteza, em uma estrada de chão, na localidade de Córrego Santa Clara, em Rio Bananal. O drama foi vivido pelo produtor rural Romeu Teixeira, de 47 anos, e pela estudante Jakeline Paulo, de 15 anos, nesta segunda-feira (16). Eles passaram duas horas dentro do veículo e, quando a força da água diminuiu, saíram pelo porta-malas, entraram em um cafezal e voltaram para casa a pé, em uma estrada.

Ajuda
O Ministério Público do Estado do Espírito Santo informou, nesta quarta-feira (18), que um termo de compromisso foi firmado com estabelecimentos de Rio Bananal para auxiliar as vítimas das inundações. A Mitra Diocesana de Colatina e as lojas maçônicas “Antônio Firmino Demuner” e “Papa João XXIII” estão mobilizadas para receber doações em espécie e donativos destinados às famílias afetadas.

As doações em dinheiro podem ser feitas em duas contas: Banco Banestes-SA de Rio Bananal (conta poupança 23752991, agência 159, banco 021) e Sicoob de Rio Bananal (conta poupança 61448885-0, agência 0001, banco 756).
Roupas, calçados, alimentos não-perecíveis e outros donativos podem ser doados à Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, localizada na Rua João Cipriano, nº 91, CEP 29920-000, Rio Bananal.

Fonte: G1

 

Confira fotos exclusivas da enchente em Rio Bananal

Confira fotos exclusivas da enchente em Rio Bananal:

DSC01075 DSC01076

DSC01077 DSC01081

DSC01082 DSC01083

DSC01084 DSC01085

DSC01086 DSC01087

DSC01088 DSC01089

DSC01090 DSC01092

DSC01093 DSC01094

DSC01095 DSC01096

DSC01106 DSC01107

DSC01108 DSC01109

DSC01110 DSC01112

DSC01116 DSC01117

DSC01118 DSC01119

DSC01120 DSC01121

DSC01124 DSC01125

DSC01135 DSC01136

DSC01137 DSC01138

DSC01141 DSC01142

DSC01143 DSC01145

Previsão é de chuvas até domingo (22)

523549_703408869672345_557779978_n

As fortes chuvas continuam nesta quarta-feira (18) em todo o Espírito Santo, e subiu para 807 o número de capixabas que precisaram deixar suas casas, sendo 94 desabrigados, 713 desalojados e 248 edificações danificadas. Diversos municípios ainda apresentam problemas de inundação e deslizamentos de terra. A Defesa Civil Estadual permanece em alerta para auxiliar as regiões atingidas pelo temporal.

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) alerta que as chuvas devem permanecer no Estado até o próximo domingo (22).

Até o momento, sete municípios estão elaborando documentação para decretar situação de emergência ou estado de calamidade pública. Entre eles estão Rio Bananal, Castelo, Bom Jesus do Norte, Vargem Alta, Cachoeiro de Itapemirim, Ecoporanga, Mimoso do Sul e Laranja da Terra.

Em Rio Bananal são, aproximadamente,  200 pessoas desalojadas. A Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) iniciou os procedimentos de limpeza de áreas afetadas. Além disso, serão feitos levantamentos de danos e prejuízos para o recebimento de ajuda humanitária.

Militares do Corpo de Bombeiros dão apoio às comunidades mais atingidas de Rio Bananal com o auxílio de duas embarcações. A aeronave do Núcleo de Operações e Transporte Aéreo (Notaer) sobrevoou toda a área para identificar situações de risco.

Os municípios mais afetados, até o momento, são Rio Bananal, Bom Jesus do Norte, Castelo, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim, Ecoporanga, Guarapari, Itaguaçu, Águia Branca, Ibiraçu, Itarana, Laranja da Terra, Muniz Freire, Nova Venécia, São Mateus, Vargem Alta, Viana, Vila Velha e Santa Leopoldina.

Registros

Em Castelo, 54 pessoas estão desalojadas e 47 edificações foram danificadas. A Defesa Civil relata que casas foram inundadas e que está fazendo vistoria e levantamentos nos locais afetados.

Em Cachoeiro de Itapemirim houve queda de barreira interrompendo o trânsito na Avenida Jones dos Santos Neves, no bairro Caiçara. Dois muros caíram, mas não há registro de feridos no local. Em Laranja da Terra, o rio Guandu subiu cerca de 5,0 metros acima do nível normal e uma família ficou desabrigada. O acesso aos distritos está dificultado pelas más condições das estradas vicinais. Foram registradas 40 pessoas desalojadas e oito patrimônios danificados.

A Defesa Civil Estadual mantém o auxilio aos órgãos municipais de proteção e defesa civil. No site da Defesa Civil Estadual (www.defesacivil.es.gov.br) o cidadão consegue acessar todos os contatos das defesas civis municipais. A solicitação para atendimento também pode ser feita diretamente via CIODES pelo número 193.

Orientações

–  Em situações de emergência, o mais importante é proteger a sua vida e de seus familiares. Encaminhe-se imediatamente para um lugar seguro;

– Fique atento a movimentações de terra. Trincas no chão, inclinação de cercas, postes e árvores podem indicar o início de um deslizamento. Abandone imediatamente sua casa e procure um local seguro;

– Se houver muita infiltração na casa e acontecer rachaduras nas paredes ou se o morador escutar algum barulho estranho, deve abandonar a residência;

–  Tenha sempre em mãos os telefones da Defesa Civil de seu município;

– Em caso de emergências, ligue para o Corpo de Bombeiros. O telefone é o 193;

– Evite as áreas alagadas. Terrenos acidentados, buracos e bueiros abertos, assim como fiação elétrica exposta, podem causar acidentes graves;

–  Ao término da enchente, busque orientação da Defesa Civil sobre o retorno para sua residência. É necessário limpar os locais atingidos por água e lama;

– Se a sua residência foi destruída durante a enchente, não volte a construir no mesmo lugar, porque cedo ou tarde ocorrerá um novo desastre.

Atendimento de emergência

A Defesa Civil Estadual mantém o auxilio aos órgãos municipais de proteção e defesa civil. A população pode acessar o site da Defesa Civil Estadual (www.defesacivil.es.gov.br) para obter os contatos das defesas civis municipais. A solicitação para atendimento também pode ser feita diretamente pelo Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), no número 193.

Serviço:
Corpo de Bombeiros – 193
Defesa Civil Estadual – 3137-4440

 

Fonte: Governo do ES

Saiba como ajudar a população de Rio Bananal

IMG-20131217-WA0006

Quem quiser ajudar a população de Rio Bananal, prejudicada pela enchente da última terça-feira, dia 17, pode entrar em contato com prefeitura e defesa civil do município pelos telefones (27) 3265- 2900 e 9 9279- 0367.

No facebook, empresários de Linhares estão organizando uma campanha solidária. Os interessados podem deixar doações na Taquetti Variedades e Vivace Feminino, no centro da cidade.

Os moradores de Rio Bananal estão precisando de água, colchões, material de limpeza, alimentos, medicamentos e roupas.

250 pessoas desalojadas em Rio Bananal

1003939_463231433786153_8112836_n

Com as chuvas, o município de Rio Bananal está enfrentando o maior alagamento desde a grande enchente de 1979, segundo a administração municipal. O volume de chuva esperado para todo o mês de dezembro no município era 193 milímetros, mas o total acumulado em 24h foi de 120 milímetros em Rio Bananal. Com isso, o nível da água do rio que corta a cidade aumentou 4,5m acima do normal, inundando a cidade e causando grande destruição.

Até ontem à tarde, pelo menos 250 pessoas estavam desabrigadas no município, de acordo com a prefeitura municipal. Além de pontes, carros, móveis e animais, pelo menos duas casas inteiras foram arrastadas pelas águas do rio que corta Rio Bananal, na maior enchente registrada na história do município. Com as chuvas que castigam todo o Estado desde a última semana – intensificadas na segunda-feira –, as águas subiram 4,5 metros acima do nível normal e inundaram a cidade causando destruição e prejuízo.

“Eu nunca vi nada parecido. As perdas só poderão ser contabilizadas depois que as águas baixarem. Por enquanto, estamos priorizando socorrer a população” explicou o prefeito do município, Edimilson Elisiário, que mal podia conter a emoção.

O município Rio Bananal fica no Noroeste do Estado e é cortado pelo rio que nomeou a cidade. Com a elevação do nível do rio, fazendas inteiras foram inundadas, prédios comerciais ficaram submersos, centenas de casas foram completamente cobertas pelas águas, pontes foram arrastadas e até pavimentação de ruas foram destruídas pela correnteza.

Uma verdadeira força-tarefa trabalha 24 horas por dia no socorro às vítimas: as Defesas Civis Municipais e Estaduais , o Corpo de Bombeiros, a Polícia Militar e voluntários. As pessoas socorridas, por meio de barcos, boias, jetskis e até helicóptero, são levadas para o ginásio de esportes do município, ou então para casa de parentes onde podem se abrigar. “Nosso maior medo é que as chuvas continuem. Se isso acontecer, não saberíamos nem mais o que fazer”, avalia o prefeito Elisiário.

Mas para alívio da comunidade, no início da noite de ontem, a intensidade da chuva diminuiu, e as águas haviam baixado cerca de dois metros, segundo o Corpo de Bombeiros. “É muito difícil passar por uma situação como essa, nunca vi isso acontecer aqui na cidade. Ainda não tive como contabilizar os prejuízos da minha marmoraria, mas espero poder voltar a trabalhar até o final de semana”, relatou o empresário Carlos Alberto Mascarelo.

 

Com informações do Gazeta Online

Ruas alagadas e estradas obstruídas em Linhares

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

As chuvas que atingiram o município de Linhares na madrugada desta terça-feira, dia 17, causaram transtornos a população. De acordo com a Defesa Civil, as ruas do distrito de Bebedouro foram tomadas pela água, obrigando uma família a deixar o imóvel onde mora. Já em Rio Quartel, diversas vias foram alagadas.

Em Chapadão das Palminhas, a pista foi totalmente obstruída. Em Santa Cruz, 12 moradias correm o risco de serem seriamente danificadas e a defesa civil orientou os moradores a deixarem as residências. Em relação ao Rio Doce, o nível aumentou 10 centímetros de segunda para terça-feira, passando de 3,63 para 3,74 metros.

Quem não tiver para onde ir, o município vai disponibilizar abrigos temporários até que a situação seja normalizada. Em casos de emergência, a população pode ligar para o telefone 3372-2062, em horário comercial, ou para o Corpo de Bombeiros, pelo telefone 193, nos demais horário

 

Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Linhares

Chuvas inundam bairros em Linhares

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Bastou chover um pouco mais forte para que os moradores de Linhares começassem a sofrer mais uma vez com os problemas das chuvas. Nesta terça-feira, dia 17, no distrito de Bebedouro, a avenida Sargento de Morais e a rua Antônio Jovita de Andrade ficaram completamente alagadas para desespero dos moradores. Outro local prejudicado foi a via Nª Senhora da Penha. Algumas pessoas tiveram que abandonar suas casas que foram invadidas pela água e o esgoto.

O técnico agrícola, Bruno Silva, de 28 anos, ficou indignado com a situação da região. “Há anos nós sofremos com esse descaso da administração pública. Será que não tem ninguém pra resolver esse problema?”, declara bruno.

No bairro Olaria, a situação é semelhante. A água ameaça entrar em residências e a lama nas ruas não asfaltadas dificulta o acesso ao local. Segundo os moradores, o problema é antigo e se repete todos os anos.

Mais informações nas próximas horas.

 

Com dados de Bebedourohoje.com

 

 

Vídeo mostra estragos causados pela enchente em Rio Bananal

IMG-20131217-WA0006

O vídeo enviado por um internauta mostra os estragos causados pela enchente em Rio Bananal, nesta terça-feira, dia 17. De acordo com a Defesa Civil do município, os rios Bananal, Timirim, Panorama e Bananalzinho transbordaram e alagaram a cidade. Barreiras desabaram e interditaram rodovias. Confira:

 

 

Enchente em Rio Bananal é a pior em 34 anos

960269_463231447119485_2092163819_n

Uma forte chuva atingiu Rio Bananal, na região Norte do Espírito Santo, desde às 23h desta segunda-feira (16). De acordo com a Defesa Civil do município, os rios Bananal, Timirim, Panorama e Bananalzinho transbordaram e alagaram a cidade. Barreiras desabaram e interditaram rodovias. Uma mulher, de aproximadamente, 60 anos, foi atingida por uma queda de um barranco e foi levada para um hospital em Colatina, na região Noroeste. Por volta de 11h20, ainda chovia na região.
De acordo com o prefeito, Edmilson Santo Eliziário, 4 casas foram arrastadas e mais de 250 pessoas estão desalojadas e levadas para ginásios de esportes e quadras que não sofreram com a chuva. “Essa enchente foi impressionante, inundou tudo, nunca vi coisa parecida. Os rios transbordaram e a água chegou a cinco metros de altura.
De acordo com a coordenadora da Defesa Civil de Rio Bananal, Heloísa Helena Grassi, essa enchente é a pior dos últimos 34 anos. “Os moradores mais antigos lembram da enchente de 1979, esta é sem dúvidas mais devastadora. Estamos sem contato nenhum e o Centro está debaixo d’água. As portas de vidro das lojas não estão aguentando a pressão, está tudo quebrado e destruído”, contou Heloísa.
A coordenadora relatou que as equipes da Defesa Civil estão com acesso limitado às localidades mais atingidas. Heloísa Helena disse ao G1 que várias pessoas estão desabrigadas e desalojadas, mas ainda não tem informações de quantos foram prejudicados. O órgão espera a chegada de um helicóptero do governo do estado para ajudar a resgatar as vítimas.
De acordo com o funcionário da prefeitura Pedro Paulo Ferreira, que ajuda nos trabalhos, o Corpo de Bombeiros realiza os resgates pelos telhados das casas que ficaram alagadas. Segundo Ferreira, a Rodovia Roberto Calmon, que liga a localidade de São Jorge para Tiradentes, ficou interditada após queda de barreiras. “Ninguém passa, só usando helicóptero para dar assistência no local. São Sebastião e Santo Antônio são as localidades mais afetadas. Recomendamos que as pessoas fiquem nos lugares mais altos, já que ainda chove por aqui”, disse Ferreira..

Fonte: Rio Bananal ES e Folha Vitória

CONFIRA A GALERIA DE FOTOS: